jusbrasil.com.br
2 de Julho de 2022

Que cuidados devemos ter ao comprar um “imóvel de posse”, sem registro?

Julio Martins, Advogado
Publicado por Julio Martins
há 8 meses

TODO CUIDADO É POUCO nas tratativas com imóveis de posse. Ainda que se trate de "posse" e não "propriedade" o exame da matrícula é medida de rigor, não devendo ser dispensada pelo Comprador/Adquirente, já que é no RGI que ele objetivará, no futuro, se cauteloso for, a regularização do seu imóvel de posse para consolidar a propriedade - e um dos caminhos que poderão levar a isso é a USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL, sem processo judicial, com presença obrigatória de advogada, com previsão no art. 216-A da Lei de Registros Publicos e regulamentação no Provimento CNJ 65/2017.

A questão da compra de imóveis de posse é uma pauta diária em nossas consultas: a todo momento aparece um interessado tanto na COMPRA quanto na VENDA de imóveis de posse. Tecnicamente não vemos como correta a "compra" ou "venda" já que em se tratando de direitos possessórios melhor seria falar-se em "Cessão" de Posse.

A Cessão de Posse pode ser feita por ESCRITURA PÚBLICA em Cartório de Notas? A resposta é afirmativa ainda que muitos Cartórios (pelo menos aqui no Rio de Janeiro) torçam o nariz para esse tipo de negócio. Na verdade, desde os tempos em que era Cartorário eu via ali a PERDA DE UMA GRANDE OPORTUNIDADE para muitos Cartórios, que poderiam em vez de negar o que pode ser um PRIMEIRO PASSO para a regularização, acolher a pretensão do cidadão orientando e dando melhor tratamento ao que no futuro poderia se tornar (como de fato se tornou, em 2015) um possível Procedimento de USUCAPIÃO EXTRAJUDICIAL, muito melhor entabulado por Escritura Pública do que sofríveis INSTRUMENTOS PARTICULARES, como vemos diariamente...

A bem da verdade encontra-se estampada expressamente no Código de Normas Extrajudiciais da CGJ/RJ em seu artigo 220 a possibilidade da lavratura de Escrituras de Posse, razão pela qual não deve mesmo o Tabelião negar vigência ao Código posto pela CGJ:

"Art. 220. Nas Escrituras Públicas DECLARATÓRIAS DE POSSE e de CESSÃO DE DIREITOS DE POSSE, deverá constar, obrigatoriamente, declaração de que a mesma não tem valor como confirmação ou estabelecimento de propriedade, servindo, tão-somente, para a instrução de ação possessória própria".

De toda forma, como sabemos, a Posse pode ser transferida tanto por Instrumento Particular quanto por Escritura Pública - a ressalva que faço sempre é de que, sendo feita por Instrumento Particular, que seja elaborada por Profissional qualificado e especialista, afinal de contas, o direito transacionado deve ter alguma importância para as partes.

Como recomendações/cautelas, sugerimos:

  1. Não deixe de consultar a Certidão da Matrícula do imóvel (não confunda Certidão da Matrícula com Certidão de Ônus reais. Se você não sabe a diferença, busque em nossos artigos pois já explicamos isso aqui);
  2. Avalie muito bem as provas e circunstâncias de quem está transferindo a posse. É importante formar um conjunto probatório que tenha suporte para embasar uma futura regularização, especialmente por USUCAPIÃO;
  3. Considere bem o valor da transação avaliando os custos para futura regularização, inclusive eventuais dívidas existentes, tanto em face do objeto da posse, quanto aos seus titulares registrais, assim como de toda a cadeia sucessória;
  4. Preserve os documentos e, se possível, faça ou exija o registro de todos eles em CARTÓRIO DE TÍTULOS E DOCUMENTOS, sob o fundamento da Guarda e Conservação (art. 127, inc. VII da LRP). É direito seu;
  5. Avalie muito bem os riscos da transação. Não deixe de exigir as demais certidões (comuns aos negócios envolvendo compra e venda de imóveis, ainda que não seja esse o caso por se tratar de "posse");
  6. Consulte sempre um Advogado Especialista para orientação jurídica na avaliação e orientação no negócio, especialmente em se tratando de "imóveis de posse". Seu patrimônio e tranquilidade estão em jogo.

www.juliomartins.net

Informações relacionadas

Luiza Klein Haas, Estudante de Direito
Artigoshá 8 meses

DICA: Como realizar busca de bens em nome do executado?

Pensador Jurídico, Advogado
Modeloshá 3 anos

[Modelo] Contrato de doação

Paulo Rogerio dos Santos, Advogado
Artigoshá 4 anos

Modelo de contrato de cessão de direitos possessórios

SFB Advocacia, Advogado
Artigoshá 4 anos

É possível regularizar um imóvel com escritura de posse!

Vagner Luis B Cerqueira, Bacharel em Direito
Modeloshá 4 anos

Modelo de Autorização para retirada de passaporte em Consulado para obtenção de visto estudantil.

34 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Ótimo texto, esclarecedor.
Só dei um sorriso no início, aonde diz "com presença obrigatória de advogada"
E se for um advogadO? Rsrsrs continuar lendo

Digamos que tenha sido um aparente erro mas que evidencia o grande acerto e capacidade das colegas Advogadas, na verdade continuar lendo

Em se tratando de imóvel ((lote, terreno) pertencente a ente público (o município, por exemplo), não seria possível a usucapião, por vedação legal. Em tal caso, e na hipótese de se tratar de imóvel com destinação residencial, o cessionário da posse, mormente se aí estabelecer mansamente a sua moradia familiar, passará a ter preferência na aquisição do mesmo. Situação, essa, muito comum, aliás, nas pequenas cidades. continuar lendo

Muito bom o esclarecimento, porém nos remete a refletir sobre certas cautelas que se deve ter nesses casos, eis que existe mais profundidade no assunto em tela e também consequências que podem ou poderão advir de certos atos extrajudiciais. A simples escritura ou registro de algum documento, não impede a revisão ou mesmo judicialização no sentido de se questionar a posse do imóvel. É o que entendo. Porém muito bom o artigo. continuar lendo

Levando em conta o tempo dedicado ao mercado imobiliário notei que de forma indistinta as pessoas só descobrem que tinham que praticar determinados atos em relação à propriedade, quando vão vender e querem tudo para ontem e na verdade não e assim que funciona, pois conforme as situações da (s) propriedade (s) irão depender de terceiros, citando como exemplo: Tabelião de Notas, Registro de imóveis, Prefeituras, Receita Federal, INSS no caso de construção/reformas/demolição. E isso pode atrasar uma negociação ou mesmo inviabilizar o negocio daí a importância dos documentos. continuar lendo